Sistema Endocanabinóide

Ué? Mesmo não utilizando cannabis, eu tenho um sistema chamado Endocanabinóide?

Resultado de imagem para maconha cerebro

 

Em 1992 o israelense Raphael Mechoulan descobriu que dentre os receptores que temos em nosso corpo, alguns são feitos para as “chaves” vindas da cannabis, chamadas de canabinóides, e que essas chaves estão associadas a diversas funções do nosso organismo. Além disso, descobriu que nosso próprio corpo produz canabinóides. Por isso se convencionou chamar esse sistema de “sistema endocanabinóide”.

Para o sistema nervoso funcionar, uma rede de neurônios fazem as transmissões e essas se propagam para todo cérebro desencadeando ações. Sabemos que existem diversas substâncias que formatam o modo pelo qual as transmissões serão feitas. Assim, para que as mensagens sejam passadas existem essas chaves (substâncias) que se ligam aos cadeados (receptores).

• Mas qual a relação desse sistema com o nosso corpo? O sistema endocanabinóide envolve os receptores e substâncias chaves que seriam os canabinóides, obtidos de forma endógena e exógena.

• Por que os canabinóides têm ações diferentes? Porque depende do encaixe da chave com o cadeado, por isso, alguns cadeados regulam a fome, humor, apetite e memória, enquanto outros regulam, por exemplo, o sistema imunológico e parte do sistema nervoso periférico.

• Por que os canabinóides endógenos recebem o nome de canabinóides? Porque só foram descobertos quando se iniciaram as pesquisas sobre os efeitos da cannabis sativa no organismo humano. Desde então se convencionou chamar de fitocanabinóides aqueles encontrados nas plantas e endocanabinóides aqueles que são produzidos pelo corpo humano.

• Por que ingerir? Porque quando se ingerem os canabinóides exógenos há produção de efeitos no corpo humano, tanto físicos como psicológicos, com maior duração.

Para além da maconha, existem outras plantas que possuem canabinóides. Como por exemplo, a linhaça, o lúpulo, a copaíba, etc.

Em parceria com: Ana Carolina Gusman, Ana Carolina Freitas e Luciana Barbosa.

Os comentários estão desabilitados.

EnglishPortugueseSpanish