Overdose de maconha em Brasília ou caça as bruxas?

Você já ouviu falar de que maconha dá Overdose?

Por Luiza Baratz Reed (luiza@apepi.org)

Segundo o ex-deputado Givaldo Carimbão (pasmem!), ele já viu isso sim.

O que você acha da situação do vídeo? Isso aconteceu durante a audiência da quinta-feira, dia 19 de novembro, em Brasília que tratou sobre o acesso a medicamentos a base de cannabis.

Estiveram presentes ativistas e militantes representando as associações cannábicas brasileiras que lutam pelos interesses dos pacientes em primeiro lugar, isto é, um acesso justo e democrático a esse tipo de tratamento.

Assista um trecho de uma situação peculiar ocorrida quando o ex-deputado Givaldo Carimbão declarou que conhece um caso de overdose de maconha.

Margarete Brito, coordenadora da Apepi, teve uma reação espontânea que para muitos brasileiros traduziu o sentimento de indignação diante de infundada declaração.

Logo após a fala do ex-deputado, a deputada Natalia Bonavides comentou de forma pertinente: “É absolutamente inédito no planeta. Eu até teria que sugerir que o senhor levasse um laudo médico dessa situação para a organização mundial de saúde (OMS). Porque não existe nenhuma experiência relatada sobre overdose de cannabis e olha que essa é uma substancia utilizada a milênios”.

Foram convidados para o debate:
– o diretor-executivo da Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (Abrace Esperança, única entidade que conseguiu autorização judicial para cultivo da maconha para uso medicinal), Cassiano Teixeira;
– a coordenadora-geral da entidade de Apoio à Pesquisa e à Pacientes de Cannabis Medicinal (Apepi), Margareth Santos de Brito;

– a presidente da Associação de Cannabis e Saúde (Cultive), Cidinha Carvalho;
– o presidente da Aliança Verde (associação de pacientes), Rafael Evangelista Ladeira;
– o ex-deputado federal Givaldo Carimbão, que foi relator da Comissão Especial de Combate às Drogas;
– o jornalista, documentarista e especialista em política de saúde e de drogas Tarso Araújo, diretor do filme longa-metragem “Ilegal”, sobre um grupo de mães que luta para tratar a epilepsia de seus filhos com produtos da planta.

A audiência teve como tema o acesso a medicamentos que contenham canabinoides dentro da comissão especial criada para analisar o PL 399/15, que viabiliza a comercialização de remédios que contenham extratos, substratos ou partes da planta Cannabis sativa, popularmente chamada de maconha, em sua formulação.

Os comentários estão desabilitados.

EnglishPortugueseSpanish